sexta-feira, 29 de maio de 2020

I can't breathe



[Secção pensamentos soltos com letras verdes] Quando começam a circular vídeos de violência não tenho qualquer tentação de ver. Mesmo que sejam a apelar à justiça. Não significa desinteresse, simplesmente escolho não o fazer. Desta vez foi diferente. Ainda sem ter visto, ecoava-me na oração o “I can’t breathe” [“Não consigo respirar!”] de George Floyd, enquanto as lágrimas saiam. Como agora, ao escrever. Sim, desta vez tinha de ver. Não pelo masoquismo, mas na empatia de saber que tristemente, como pertencente à humanidade, também deixei de respirar, acabando por morrer. Não se é o mesmo depois da morte. Não se é o mesmo depois da morte por violência. Não se é o mesmo depois da morte por violência à mão de quem nos deve proteger… seja polícia, pai, mãe, irmão, irmão, filho, filha namorado, namorada, marido, mulher.

Ao mundo falta respiração, em consciência do alento que transforma o instinto em  cuidado do outro. A profundidade que nos leva a atravessar as sombras do pior de nós, deixando transformar em humanidade. Esta violência tem gerado mais violência. É compreensível pelo emotivismo vigente, contudo têm de haver passos concretos de se encontrar a Paz. É fácil apontar o dedo, dizendo que o problema é do outro. Tremendamente mais difícil é fazer a travessia do deserto enfrentando o nosso lado escuro. Atenção, não desculpabilizo para nada nenhum agressor. Tem de haver a condenação dos actos, para além do simples despedimento. Que se faça justiça, da que não alimenta mais violência. Para isso, recordo algumas palavras de Martin Luther King do seu “I have a dream”: 

“Há algo, porém, que devo dizer ao meu povo, que se encontra no caloroso limiar que conduz ao palácio da justiça: no processo de ganhar o nosso legítimo lugar não devemos ser culpados de actos errados. Não tentemos satisfazer a sede de liberdade bebendo da taça da amargura e do ódio. Devemos sempre conduzir a nossa luta no nível elevado da dignidade e disciplina. (…) Não podemos caminhar sozinhos.”

Que nenhuma morte justifique mais mortes. Que esta morte seja viragem para a consciência do fim de todas as fobias humanas, permitindo que todos possamos respirar digna e livremente.

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Haverá um dia



[Secção outros tons quando tanto acontece pelo mundo] Haverá um dia em que o corpo não será fronteira, mas casa. A porta aberta sem trinco. À entrada, os sapatos ficam, deixando os pés tocar o sagrado de cada ser. No jardim, a mesa com refrescos e muitas cadeiras. E pufos. E toalhas estendidas a acolher o espreguiçar de tanto sofrimento. Tudo a dar lugar a quem queira participar do todo. As cores são bem-vindas à dança, permitindo que se possa respirar sem medo, livremente. Haverá um dia.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Breve oração




[Breve oração durante a tarde] 

Agradeço-Te 
o silêncio na visita a cada sombra
escutando com sagrado respeito 
os ruídos de outros tempos

Peço-Te
a lucidez para acarinhá-los
enquanto se transformam em sabedoria

terça-feira, 26 de maio de 2020

"By Heart"



[Secção pensamentos soltos sobre cultura] Nos meus tempos de estudo em Paris fui ao teatro ver “By heart” de Tiago Rodrigues. A peça fala da sua avó Cândida. Sabendo-se a ficar cega, pediu ao neto que escolhesse um livro para aprender de cor, de modo a continuar a lê-lo mentalmente quando deixasse de ver. Na folha de sala: “lancei-me numa viagem. Uma viagem literária e labiríntica que, ainda hoje, continua”.

Ao pensar na cultura, nestes dias em que se toma forte consciência da precariedade dos artistas, dos produtores, de todos os técnicos que trabalham nos bastidores, recordei o “By heart” por muito do que foi dito e que escrevi na altura a partir da peça:

Dá-se uma viagem pela literatura. George Steiner é citado a partir d’ “O belo e a consolação”. (…) O saber de cor, no coração, lugar da força dos afetos e discernimento. Aprende-se de cor, mais do que memória mental, o que se ama ou se quer perdurar. No coração guardam-se versos de poemas ou capítulos de textos que nenhuma polícia ditatorial poderá mandar queimar. Aí, de cor, ficam a amadurecer as palavras que fazem sentido à vida. Em jeito de recordação, como no ritual judaico, onde o mais novo pede ao mais velho para repetir a história dos antepassados. A explicação de toda essa viagem: a avó Cândida sempre leu durante toda a vida. Mesmo preparando bacalhau no restaurante que abriu com o marido, passando também a II guerra mundial, a mistura do banal com o profundo acontece através das palavras.


Volta à memória o que senti na peça, o que me provocou reflexão no regresso a casa e dias seguintes, até hoje: os ecos da tão necessária humanização que nos faz viver para além do biológico. Em “By heart” foram-nos dados literalmente a comer versos de Shakespeare. Bela alusão ao alimento de alma que necessitamos na caminhada de humanização. Mas, os artistas, os produtores e os técnicos que fazem da vida criação para nos alimentar a alma, precisam de reconhecimento nestes tempos, para que também possam comer e não perder a força da inspiração e criatividade.


A saúde física complementa-se com a intelectual, a relacional e a espiritual. A cultura a todas alimenta.



segunda-feira, 25 de maio de 2020

Uma joaninha



[Secção coisas de nada] Pousou. Ali ficou a caminhar pela mão. A simplicidade da joaninha fala de Primavera. Fiquei em silêncio a olhá-la e a pensar que nestes momentos de contemplação as ideologias desaparecem, as crenças esfumam-se, o clubismo não tem sentido. Sem necessidade de provar nada, apenas fica o deleitar-se. Não tira a fome. Não acaba com as injustiças. Não anula desigualdades. No entanto, a paragem provocou o agradecimento de tanto que vai para além de mim, de modo a continuar o caminho de amor ao próximo. Pouco depois, voou. 

Vigília Inaciana



[Secção Jesuítas-on-fire] Pela primeira vez, vamos ter uma celebração conjunta para todo o mundo. Será no próximo Sábado, pelas 19h em Portugal, que a família Inaciana por todo mundo se juntará a rezar em Vigília de Pentecostes online. Fica o registo para apontar na agenda. Em breve, mais informações. #TogetherAMDG #IgnatianPentecost

domingo, 24 de maio de 2020

Maturidade na fé



[Secção pensamentos soltos sobre maturidade na fé] Ser homem ou mulher de fé amadurecida, crescida, adulta, é exigente. Nos inícios, qual criança a que se lhe tem de dar comida à boca, é necessária a devida ajuda na compreensão dos mistérios. Escrevo “mistérios” no sentido da raíz “mythos”, de algo sempre novo a descobrir. Nada que ver com fechamento. Muito pelo contrário, com maior abertura de horizontes. A fé amadurecida é aquela que ajuda à libertação de acessórios, encontrando a força do essencial: o Deus da Vida e do Amor.

Os discípulos são enviados às periferias. Se olharmos a comunidade escolhida por Jesus vemos que de cultos, muito pouco; um ou outro algo bronco; e até escolhe um que o trai. Jesus na sua vida conhece a humanidade com a luz e a sombra. É nessa totalidade que a resgata para a divindade e é também o que celebramos hoje, com a Ascensão. Cristo quer que cresçamos na fé, não ficando agarrados a imagens que façamos dele. Não nos quer como crianças, a receber a comida directamente na boca dada por alguém. Todo o nosso ser, desenvolvido, é para a liberdade no acolhimento e comunhão d’Ele em mãos, como ensinaram desde muito cedo os Padres da Igreja, por serem o sinal do serviço ao outro. Quando crescemos na fé, deixamos a pequenez de horizontes e somos capazes de ir seja aonde for e estar seja com quem for a ser dadores de vida e de justiça. O adulto na fé não segrega pessoas, mas congrega. O adulto da fé não ataca pessoas nem promove a violência, mas contribui para a união. O adulto na fé não se fica a olhar o alto em espiritualismo etéreo, mas sabe que o concreto, o contexto, é realidade de Deus, por isso, sem necessidades de supremacia, seja de que tipo for, aprende a dialogar com todas as tradições.

Tudo isto é exigente, sim. Até pode ser mais confortável ficar-se acomodado na infância. Ainda assim, a Solenidade da Ascensão recorda-nos, mais uma vez, que somos chamados, não a defender, mas a anunciar a vida em Seu nome. Para isso, é preciso crescer, madurar, na beleza da fé. Afinal, Ele tem em si mesmo tudo o que somos e desafia-nos a ser participantes da liberdade de tudo o que Ele é: Amor.

sábado, 23 de maio de 2020

Corpo



[Secção letras verdes com coisas de corpo] Depois de um dia onde o corpo total, forte e frágil, doente e saudável, com desejo de reconciliação, foi tema em conversas ao longo da manhã, da tarde e, ainda há coisa de nada, já de noite.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Breve oração



[Breve oração com tanto no pensamento durante a noite]

Agradeço-Te 
o sorriso contido em espera dos abraços
ansiados há muito na oração de vela acesa

Peço-Te
o sopro leve a empurrar os dias,
acelerando os encontros de pele
em corpo e vida profundamente amados

Notas soltas



[Notas soltas pela manhã] Somos criadores e fazedores de história. Apercebo-me que há ânsia por mudanças, para que todos sejamos melhores, etc. e tal. Sim, que bom. Mas, para que todos sejamos melhores, cada pessoa tem de fazer caminho de libertar competições em provas de ser digno diante do mundo, dos outros. Não estará mesmo na altura de deixarmos competições de defeitos, do que há a melhorar, e passar a colaborar desde as virtudes, os dons e as qualidades? Se assim for, tenho para mim que a história ganhará outro rumo.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

P. Adolfo Nicolás,sj





[Secção homenagem] O P. Adolfo Nicolás, anterior Geral da Companhia de Jesus, partiu hoje para o Pai. É dia de agradecer o tanto bem de Deus que deu a muitos de nós. Homem de profundidade e sorriso fácil. Tive oportunidade de estar com ele por três vezes, em Espanha e em Portugal. Numa das vezes, em Madrid, fui o diácono da celebração. Na sacristia perguntou-me a minha história. Quando lhe disse que tinha sido comissário de bordo e tinha mudado de Companhia, deu uma gargalhada. Aproveitando a deixa, continuei:
- Já agora, que não é todos os dias que estou com o Padre Geral, queria aproveitar para dizer que estou a pensar fundar a Jesuit Airlines e, obviamente, vou precisar da sua licença.
Solta outra gargalhada ainda maior e diz:
- Vou acrescentar esse ponto na próxima reunião com o conselho geral.

Além do bom humor, o mais importante a destacar é a sua profundidade e o seu sentido de universalidade, com o desejo de estabelecer pontes. Por isso, fazendo muito sentido para os dias que vivemos, partilho uma breve parte, menos de um minutos, de uma intervenção sua em que fala de diálogo, imaginação e educação.

Também aqui fica um breve resumo da sua passagem por Portugal, em 2014: https://pontosj.pt/especial/p-adolfo-nicolas-em-portugal/

P. Adolfo, muito obrigado. Que Deus o rodeie com toda a beleza da luz eterna e peço-lhe, desde aí interceda pela humanização e encontro dos Povos.



terça-feira, 19 de maio de 2020

Semana Laudato Si'



Diogo Costa

[Secção memórias com olhar de futuro] E eis que me chegam algumas fotos do “Entre Aspas”, um campo de férias, de já lá vai mais de uma década. GOD! Partilho esta, pelo verde de trás e as cebolas na mão. Estamos na Semana Laudato Si’, após cinco anos da publicação desta encíclica tão transversal de humanidade. É sempre tempo, mas mais agora, com tanto a mudar, para recordar o equilíbrio entre a natureza e a humanidade, no sentido de ecologia integral. Mais do que um simples cuidado com a natureza, é necessário perceber o cuidado e respeito uns com os outros. Isso inevitavelmente faz perceber que ninguém tem a posse do planeta e que todos somos responsáveis pela Casa Comum. Com toda a certeza ia ajudar a preparar o refogado para mais de 50 pessoas. Sejamos uns para os outros.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

Breve oração




[Breve oração ao anoitecer]

Agradeço-Te
a Vida 

Peço-Te
ajuda-me a ajustar o acessório
pondo o essencial no seu lugar

domingo, 17 de maio de 2020

Acolhimento e respeito




[Secção pensamentos soltos sobre homofobia e preconceito, neste dia contra isso] Muitas vezes estamos rodeados de ideias e conceitos que se ficam pelo abstracto do entendimento. Tomar consciência da realidade implica diálogo com o concreto: conhecer pessoas, olhos nos olhos, com as suas “alegrias e esperanças, tristezas e angústias”. Afinal, como começa “Gaudium et Spes” do Vaticano II, “sobretudo as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as mesmas dos discípulos de Cristo.” Os muitos rótulos que se colocam na condição humana, em generalizações precipitadas, promovem divisão, rejeição, anulação, vergastadas, prisão e pena de morte. 

Tenho acrescentado um infelizmente a estes “dias de”, precisamente por ainda haver a necessidade de recordar a importância do respeito humano. Já que está aí, como padre falo deste dia por conhecer o concreto em escutas como: “o meu pai chama-me depravado”; “conta-me o que quiseres menos que és paneleiro”; “eu que sempre tive fé, devo ter um pecado muito grande por ser assim”; “as pessoas da paróquia começaram a olhar-me de lado por o meu filho estar em processo de mudança de sexo”; “durante a terapia de reconversão gritaram-me vezes sem conta a palavra Deus, fazendo-me expurgar culpas”; “eu devo ter feito muito mal para ter um filho e uma filha assim”; “chego a casa tenho de me maquilhar para agradar a minha mãe, fecho-me no quarto e choro por não aguentar mais a mentira de ser e tantas vezes penso não valer a pena viver”. Isto no nosso Portugal. E, em muitos casos, partilhado depois de muito caminho de abertura por perceber que não julgo nenhuma condição de vida.

Como escrevi há dias, a vida de Jesus é convite a atravessar da margem das categorias e rótulos para a do amor. E no contexto religioso ainda há fobias, estranheza, apontar de dedos, a lamentável hipocrisia, que se deveriam começar a dissipar. Como padre, gostaria muito que este dia deixasse de existir, precisamente pelo expandir de acolhimento. Nós, cristãos, ao crescer na maturidade espiritual deveremos ser cada vez mais testemunhas da densidade do “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

sexta-feira, 15 de maio de 2020

3.ª Edição



[Secção Deus como Tu e Rezar a Vida] Quando soube da boa notícia estávamos no turbilhão de emoções da nova realidade do mundo. Alegrei-me. Deixei a manifestação mais pública para adiante. Acho que já está na altura, afinal, são já alguns milhares de livros vendidos. Pois, ambos os livros deram em Março o passo para a 3.ª edição. Agradeço à Sílvia, à Berta e à Liliana, a amizade e colaboração. Agradeço a todas as leitoras, a todos os leitores, também pelas manifestações nas partilhas do que mais lhes tocou. Que a luz continue a acontecer nas palavras. Ele anda por aí, nas livrarias. 

[Na foto são os exemplares que toquei pela primeira vez. Estes sim, são meus. Os outros, de quem os lê.]

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Compaixão



[Secção letras verdes no dia em que as religiões se juntam a rezar pelo mundo]

quarta-feira, 13 de maio de 2020

13 de Maio



[Secção pensamentos soltos a 13 de Maio] Maria baralhou a história da humanidade com o seu sim. Crentes ou descrentes, no melhor e no menos simpático no entendimento do religioso, somos embebidos por esse acontecimento. Nisto, acredite-se ou não nas aparições de Fátima, é inegável que estes dias 13, de Maio a Outubro, têm algo de mistério (entenda-se, de muito a pensar, a descobrir). Milhões de pessoas, das mais variadas condições, peregrinaram até Fátima. Por isso, fico sempre incomodado com as críticas fáceis, simplistas, a Fátima. Quem não foi, convido a ir, despojado de preconceitos, e viva a experiência. Depois, em honestidade de coração, em bom diálogo, falamos.

Ver o Santuário vazio de pessoas, mas cheio de presença pelas milhares de orações por Portugal e muitas partes do mundo, causa impacto. Fui lendo o desejo de muitos a quererem lá estar, como fazendo parte da sua existência de fé. Também li o desabafo de D. António Marto pela agressividade de palavras recebidas pela sua decisão em ser assim: peregrinação interior. Enquanto rezava vendo as imagens do Santuário, sabendo disto, fiquei a pensar que é mesmo necessária uma peregrinação interior em cada coração. O sim de Maria foi resultado do despojamento de si mesma, deixando o que era, para começar algo novo. É certo que se manteve muito das tradições, mas a mudança era evidente. E este hoje? Este 13 de Maio com o rasgo de peregrinação que permita a transformação de coração, não será um sim novo a dar ao mundo? De que serve ansiar por missas, por peregrinações, se se continua fechado numa bolha espiritualista a desconsiderar tudo o que vivemos?


Todos os tempos são de Deus. Estes, que atravessamos, são também de cada um de nós. Acender uma vela, rezar o terço, caminhar interiormente, é muito mais do que se imagina nos dias de hoje. Se vividas em consciência de que Deus quer fazer de cada coração um Santuário de Paz e de Encontro, pondo de lado comparações políticas, sociais e religiosas, a luz, a oração e a conversão, na sua simplicidade, ajudam a actualizar o sim de Maria, contribuindo para um mundo renovado pela colaboração, onde todas as luzes juntas formarão a grande luz da humanidade.

terça-feira, 12 de maio de 2020

12 de Maio



[Secção outros tons, especial 12 de Maio] Fátima é aquela leveza de luz apenas compreensível por quem se deixa habitar por passos de silêncio. Não é o acontecimento de há anos que me anima a fé, mas as milhares de velas que em cada ano enchem a esplanada do santuário e esta noite, dispersas de norte a sul, se juntam em oração, tornando o “altar do mundo” cada coração que se permite amar. 

segunda-feira, 11 de maio de 2020

Ver e agradecer




[Secção coisas de nada] Cada vez aprofundo mais a certeza de que a contemplação de “coisas de nada” torna-se tudo na expansão do agradecimento pela vida. E há tanto que nos é dado gratuitamente. Basta parar por breves segundos e ver. Simplesmente ver e agradecer.

Vingança e perdão




[Secção pensamentos soltos sobre vingança e perdão] Quando se começa a conhecer os meandros do ser vai-se percebendo o perigo de juízos demasiado rápidos. Quando submetidos à agressividade física e à brutalidade emocional de determinados acontecimentos, é natural surgir a vontade de anular a outra pessoa. Compreende-se, que não significa aceitar, do aflorar básico de vingança, ao ponto do desejo de matar. É o nosso lado animal a dar de si. De forma mais técnica: conforme a nossa realidade, a informação vai directa ao nosso cérebro reptilíneo, activando as defesas que levam ao ataque que se pode revestir das mais variadas reacções à volta de fuga, luta ou bloqueio.

O nível de cansaço social que atravessamos é muito grande. E isso é extremamente perigoso e necessário a ter em conta nas reflexões e decisões. Facilmente surge a vontade de agir em nome dos medos, das inseguranças, das dores, eliminando todo o potencial inimigo externo como se isso expiasse os próprios males. Daí a necessidade da, passo a redundância, justa justiça, condenando o acto e promover a real e urgente protecção de quem está mais frágil. Tem sido gritante e preocupante a quantidade de apelos à morte para justiçar outra morte. Mas, será que há o direito de matar em nome de alguém que já partiu? “É o modo de impedir que outros repitam o mesmo”, poder-se-á dizer. Pois, além de ser morte sobre morte, estimula-se o educar, aliás, o formatar pelo medo e, com aproveitamento político, reabrindo a possibilidade de controlar a sociedade tornando as pessoas animais amestrados. Tal não é caminho de humanização.

De vez em quando, nos meus exames de consciência, e estes dias ajudaram a isso, pergunto: o que há de animal em mim a falar mais alto? Que dores e cansaços tenho, levando-me a estar à defesa? Tenho o direito de estar no lugar de Deus a determinar a morte de alguém? À medida que me permito a honestidade, vai suavemente despontando o perdão. Não se trata de desculpabilização, mas, impedindo que seja a morte, dou mais espaço à Vida a determinar os passos da humanidade.

domingo, 3 de maio de 2020

Dar à Luz



[Secção vida] Dar à luz: a experiência de vida que implica tanto de união como capacidade de separação. É a sabedoria de ambos crescerem em afecto e em liberdade. Seja como for, o colo de mãe será sempre lugar de regresso a casa.

sábado, 2 de maio de 2020

Ecos



[Secção letras verdes] Ecos de alma no fim do Estado de Emergência.

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Acolhimento e vida




[Secção pensamentos soltos em 1.º de Maio sobre LGTBI] Desde ontem que circula a notícia da ajuda do Papa Francisco a mulheres transexuais em situação precária a residir nas periferias de Roma. O que o Papa tenta ser discreto nas suas ajudas, mas as pessoas de tão agradecidas revelam os gestos. As mulheres, algumas prostitutas, estão em situação limite de pobreza. Apelaram ao Papa, e Francisco, ao jeito do “escutei o clamor do meu povo”, atendeu. Torna-se notícia por serem mulheres transexuais. Nos comentários, encontram-se desde os maiores louvores até ao que eu gostaria que fosse inexistente, de tão baixo e vil, ainda mais por pessoas que se dizem crentes em Deus, em Jesus. Infelizmente o mundo real, em particular religioso, ainda está marcado por muita falta de amor.

A justiça social apela ao cuidado e respeito, em especial às pessoas marginalizadas. Jesus, para quem se interessa em querer realmente ler e escutar o Evangelho, é considerado um marginal, a nível político, social, religioso e existencial. Toda a Sua vida é um convite a atravessar da margem das categorias e rótulos para a do amor. A transexualidade e a homossexualidade não são caprichos, nem opções ou doenças, mas ainda são corridas a prejuízos incríveis a ponto de serem, no extremo, causa de morte. Em contexto religioso, particularmente cristão, considero inadmissível que se violente alguém. Faz parte das obras de misericórdia acolher quem está em sofrimento, independentemente da sua condição.


Ansiamos que se abram as igrejas. Sim, que bom poder haver espaço de encontro em assembleia que ajude a compreender o outro na profundidade do amor. Também estou desejoso de poder celebrar e dar a comunhão. Mas, mais desejoso estou de que essa comunhão seja para que haja conversão de corações e todos nos possamos respeitar cada vez mais. Enquanto cristãos, que a nossa marca, o nosso testemunho, a nossa imagem sejam, à semelhança do Ressuscitado, o do acolhimento e da Vida.

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Vocação - II



“Trinta e três raparigas saem a caçar a borboleta branca” de Max Ernst, 
da colecção permanente do Museu Thyssen-Bornemisza

[Secção pensamentos soltos sobre vocação] Há pouco publiquei uma flor de nenúfar como imagem do pequeno texto sobre vocação. Podia ter sido uma casa ou templo com múltiplos muros ou véus. Foi a flor com as muitas pétalas. Que me passava pelo pensamento?

A vocação de cada ser humano é o amor, que se vai convertendo de substantivo em verbo. Imagino o centro do ser como esse amor iluminado. No entanto, a luz vai sendo rodeada com véus, muros, redes, grades, impedindo-a de irradiar e pôr a render o seu talento. Deus não se cansa de encher de azeite o vaso de barro com a chama, que aviva ou enfraquece conforme o nosso agir diante dessas defesas.  Então, somos chamados a fazer o caminho de “des-cobrir” esses véus, muros e afins.  Que nomes terão? O medo do julgamento? A incompreensão da vida com votos, sejam religiosos ou matrimoniais? Achar-se incompleto ou imperfeito? Comparações? Vergonha ou até mesmo nojo do que possa ter feito ou tenha sido sujeito(a)?  Ser demasiado cedo ou tarde na vida? A limpidez das respostas ajudará a derrubar, rasgar, cortar, dissipar essas barreiras permitindo a luz irradiar.


Chegar a essa limpidez é exigente. Daí ser recomendando o discernimento, em passos de silêncio, para escutar e sentir o amar divino que, ao alimentar a chama, desafia o amar de cada pessoa. Amar como casal, como mãe ou pai, como consagrado ou consagrada, como profissional desta ou daquela área, sem comparações de estados de vida. Quem se encontra na sua vocação, por ir derrubando as barreiras, fica exposto apenas à graça de Deus, que não impede ventos fortes. Ainda assim, irradia a luz que contagia e testemunha a certeza de que todos somos chamados ao amor. E na sua vocação própria, ilumina os caminhos de outros que lhes são confiados a amar.

Vocação - I



[Notas breves enquanto caminho e penso sobre vocação] Quem se atreve a fazer caminho de descoberta da sua vocação perceberá a abertura que acontece na alma. É exigente, mas libertador. O infinito desperta beleza e contagia outros. Voltarei ao tema.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Dança: lugar de Deus



Andrés Waksman


[Secção coisas de corpo em dia Mundial da Dança] Fechar os olhos e descobrir o movimento autêntico é perceber liberdade. Abri-los de seguida e deixar-se levar é perceber a expansão da Vida. Quando nos conhecemos em corpo total, o divino percebe-se natural. E, sim, a dança é lugar de Deus.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

domingo, 26 de abril de 2020

Emaús



[Secção outros tons no III Domingo de Páscoa] O coração arde quando a história é recontada com a limpidez de quem passou pela experiência do silêncio. Sem tornear as palavras, o gesto de partir o pão abre a visão. No silêncio da noite há que partir. Antecipando a chegada do Espírito, fica a certeza da fé: para quem o descobriu, é impossível guardar o amor.

sábado, 25 de abril de 2020

Liberdade




[Secção pensamentos soltos sobre liberdade] Quantas vezes não aconteceu, diante de uma fotografia ou a ouvir uma música, durante a leitura de um romance ou poema, a meio de um filme ou série, enquanto se passeou por uma planície ou no meio de uma grande cidade ou pequena povoação, a imaginação nos levar a sítios amplos e vastos, dando espaço à livre criação? Incontáveis.

O acto criador é um momento de grande libertação. Dá-se nascer. E tantos são os nasceres de vida. Uns mais pacíficos, outros autênticas revoluções para soltar amarras de qualquer opressão, relacional, política, religiosa, cultural. A liberdade é a abertura de horizontes, onde respeito e responsabilidade partilham o caminho da honestidade que alimenta a dignidade. Para que tal aconteça é fundamental a verdade, tanto intelectual como emocional. Ninguém é detentor da liberdade, mas todos somos atravessados dessa possibilidade: independentemente da condição que se vive, há a decisão de se ser profundamente livre com este aqui e agora concreto. Isto vai para além do lado político, mas entra no campo da existência. 


Ser livre na existência implica detectar apegos, prisões, ditaduras, opressões de alma que distorcem a acção humana. Quem se atreve ao exigente caminho de liberdade de coração e de alma, deseja a liberdade do outro, passando a gestos de vida, de juntar dons e talentos na colaboração desde perspectivas diferentes. Ainda mais em tempo novo, este que vivemos, que nos impele a descobrir, mais além do que nos separa, o que nos une no cuidado, na solidariedade, na dádiva, na busca da “paz sem vencedores nem vencidos” que nos leve a amanhecer sem medo de amar livremente. 

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Críticas aos professores




[Secção pensamentos soltos sobre criticar] Criticar algo é fazer uma apreciação, uma avaliação. A crítica entra no campo racional. Apesar da palavra estar rapidamente conotada com o negativo, a crítica também pode ser positiva, vulgo elogio. No entanto, muitas vezes entra-se no campo emocional e as críticas, sobretudo as negativas, evoluem de tal modo que se transformam em maledicência que muitas vezes não são mais do que a inveja e frustração de quem as faz. 

Acredito que muitos, senão todos, dos professores que se disponibilizaram para estar à frente das câmeras praticamente sem preparação estão a dar o melhor que sabem nesta novidade. Acredito também que aceitam as críticas, as verdadeiras críticas, que possam ajudar a melhorar o seu trabalho. Se há falhas técnicas, pedagógicas e/ou didácticas detectadas, obviamente que devem ser corrigidas, enviando informação bem argumentada aos sítios correspondentes. Tudo o resto, em especial o gozo de baixo nível a roçar o bullying que dá vergonha de ler e ouvir, é lixo. 


Da minha parte, o agradecimento a todos os professores que nestes tempos têm sido excelentes profissionais, renovando-se e reinventando-se, na sua dedicação a ensinar e a educar.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Breve oração



[Breve oração no entardecer em dia de Maria, Mãe da Companhia de Jesus]

Agradeço-Te
a consciência do pó da terra que sou 
e dos meandros escuros da existência

Peço-Te
sabedoria para a palavra ajustada
ao silêncio, à voz, à sensatez, ao encontro


segunda-feira, 20 de abril de 2020

Breve oração



[Breve oração ao adormecer]

Agradeço-Te
o esforço de tantos no caminho da autenticidade, 
apesar de todos os fantasmas

Peço-Te
ajuda-me a ser sopro fresco
a orientar na luz e na esperança

domingo, 19 de abril de 2020

Celebrações




[Secção pensamentos soltos sobre celebrações de Abril] Toda a celebração tem carácter simbólico. Aviva a memória para acontecimentos que transformaram e libertaram alguém, um grupo, uma comunidade, um país. Somos atravessados de História e celebrar é não permitir que se apaguem esses registos da existência. Muitas vezes, essas celebrações contrastam em modos de pensar ou ver a realidade. Pois, a complexa humanidade nas muitas perspectivas. 

As nossas gerações vivem algo único. Provavelmente haverá uma data (o momento da descoberta da vacina?) que se conjugará simbólica para marcar o fim da pandemia. Estamos a viver História. Infelizmente, mas estamos. Haverá a data da liberdade. Nem sei como a celebraremos, mas haverá um marco. Entretanto, é-nos pedido em cada canto e recanto que fiquemos em casa. Afinal, nunca de forma tão forte um acto individual deixa de ser um acto isolado, fechado em si. Para o melhor e para o pior. Sem se saber, e isso é muito doloroso, pode-se estar a infectar alguém. Por isso, todos os gestos de precaução são humanitários. Também de respeito por quem não se pode resguardar. Custa muito. Está a custar muito abrir mão de tanto. Aquele custo sem preço, por ser de sentir de entranhas tudo o que estamos a passar.

Em maturidade, mais dos que discussões ideológicas, todos somos chamados a dar o exemplo de respeito e cuidado. Não sei o que é viver em ditadura, por isso, reconheço o grito da liberdade e quero que continuemos a dá-lo. No entanto, celebrar de forma diferente não significa falta de respeito pelo Abril de 1974 que, em conjunto com outras dimensões do ser, me permite crescer como Homem livre também no modo de celebrar as coisas essenciais da vida. Custa não ser com toda a gente representativa? Custa. Mas, o simbólico no pouco, na simplicidade, pode ajudar milhões a compreenderem o imenso que significa o profundo sentido da liberdade, mais que política, existencial. De outra forma, apenas será ruído. Neste momento, todos necessitamos de encontrar a “paz sem vencedores nem vencidos” que nos fará recordar a união tão necessária neste Abril de 2020. 

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Nascer de novo



[Secção letras verdes] A pensar e a rezar as muitas escutas de vidas ao longo destes tempos novos.

Dar o melhor



[Notas soltas enquanto caminho na chuva] Atravessamos tempos únicos, inacreditáveis, onde a muitas perguntas a humilde, por ser verdadeira, resposta é “não sei”. Por isso, em muitas coisas, é preciso estar atento aos fantasmas de futuro que causam angústia e aumentam ansiedade. Se o cansaço chega, se o medo surge, se a tristeza aparece, é de reconhecer que são naturais ante a imensidão do desconhecido. Se possível, nem que seja por cinco breves minutos, voltar à base: sentado de costas direitas e pernas descruzadas ou de pé com braços ao longo do corpo, cabeça erguida, e respirar normalmente, alternando com inspirações/expirações profundas. Se se sentir que precisa de ajuda, por favor, que se procure alguém com real capacidade e formação para escutar o desabafo, a queixa, o grito. Ninguém é chamado a ser herói, mas pessoa a dar o seu melhor.

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Breve oração





Albina Cunha

[Breve oração a pensar de forma especial nos educadores e alunos, nestes tempos únicos, repito, únicos, em que se roça pedidos impossíveis]

Agradeço-Te 
a criatividade, a resiliência, a bondade, a comunicação, a colaboração, o saber, a liberdade, a fragilidade, a humanidade, a força, a determinação, a garra, a aceitação, a integração, o respeito, a vida.

Peço-Te

consciência dos limites, do impossível, do não conseguir, para libertar-me do medo, vergonha ou julgamentos ante o cansaço intelectual e emocional e, assim, saber parar sem me sentir inferior ou mau profissional, ou mau pai ou má mãe.